Convênios

 

 

O objetivo principal dos convênios de mútua colaboração é estabelecer relações de trabalho e troca de experiências tanto de formação como de pesquisa entre diferentes IES brasileiras e/ou do exterior. Além disso, através dos convênios estabelecidos pelo PPGCL, é possível colocar em relação temas que são tratados mais em umas instituições do que em outras, ou, ao contrário, juntar esforços em torno de temas comuns. O Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem incentiva fortemente a organização de convênios, pois considera fundamental criar condições para a produção do conhecimento em rede a partir destas parcerias acadêmicas e, sobretudo, para a divulgação e circulação do saber produzido entre as universidades envolvidas nos convênios e entre a universidade e a sociedade.

Convênio entre Univás e IFSULDEMINAS

 

Tem-se desenvolvido uma relação de trabalho entre a Universidade do Vale do Sapucaí - UNIVÁS e o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais - IFSULDEMINAS. A parceria entre as instituições iniciou-se em 2011 e, desde então, diferentes reuniões de trabalho e eventos já foram realizados. O Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem ampliou sua relação com o IFSULDEMINAS, visando o desenvolvimento de pesquisa sobre um acervo com entrevistas relativas ao café e à conjuntura que envolve o café, seu produtor, e o agronegócio na região sul de Minas. A partir de um banco de dados, já existente no IFSULDEMINAS, tem-se refletido sobre a elaboração de um projeto em conjunto visando tratar de questões que objetivam a compreensão, através desses materiais, dos sujeitos aí envolvidos e do processo de transição para as grandes empresas do agronegócio. Isto se alia bem com os nossos trabalhos em linguagem e sociedade que analisam temas relativos à memória histórica e à identidade sul-mineira, face aos efeitos produzidos nas relações sociais e de trabalho. Esses passos preparam e organizam interesses comuns na implantação de unidades de pesquisa.

Coordenadora do Convênio:

Profa. Dra. Telma Domingues da Silva (UNIVÁS)

Convênio entre Univás e Universidade Federal de Juiz de Fora

 

Pensando a cidade como um lugar de produção de significação do sujeito no espaço público, forma da vida social, observamos as distintas formas como o corpo mesmo significa, se textualiza e circula, sendo o homem um ser que interpreta e é interpretado. Procuramos levantar caminhos que nos levem à compreensão da relação do corpo com a ideologia e da relação que se pode compreender entre ideologia e inconsciente quando se pensa a materialidade do sujeito, seu corpo e o sentido. Dentro dessa perspectiva, o foco principal da investigação recai sobre alguns fenômenos contemporâneos, como as manifestações de rua que, no Brasil, tornaram mais frequentes a partir de 2013; os chamados “rolezinhos” que, por trabalharem na quantidade, se caracterizam por expor a relação do sujeito com um espaço significado como sendo do outro; a procura dos sujeitos por diferentes corpos seja através de transformações físicas, seja através da postura, da dança, das roupas; a produção discursiva da repulsa e do desejo, e o papel da mídia e das redes na constituição/deslocamento da relação entre sujeitos, sentidos e afetos; a clivagem entre corpos imunes e submissíveis à violência e a instituição simbólica das corporeidades perigosas na cidade; os dispositivos midiáticos de patologização e os novos critérios de normalidade, o corpo como textualidade atravessada por sentidos de saúde e doença, de risco e imunidade. Atualmente, está sendo desenvolvido dentro deste convênio o projeto “Sujeito, Espaço, Corpo e Sentido” e, como forma de apresentação das pesquisas nele desenvolvidas, foram realizadas duas Jornadas, além de reuniões com a participação de pesquisadores da UFJF e da UNIVÁS e publicações que visam dar visibilidades aos debates promovidos pelos pesquisadores.

Convênio entre Univás e Universidade de Sorocaba

 

Este convênio sustenta-se em estudos que envolvem discussões sobre arte, mídia, imagem e discurso e tem como objetivo reunir e congregar um grupo de trabalho para refletir sobre as fronteiras movediças em que o sujeito atua na contemporaneidade. A pesquisa está voltada para questões teóricas e investigativas dos fenômenos que apresentam, sobretudo, caracteres da arte, sejam eles elementos das belas artes ou produtos das mídias. Através deste convênio, investe-se em um campo de trabalho e de pesquisa pouco desenvolvido no Brasil, um espaço para que o discurso midiático e artístico, dadas as suas especificidades, possam circular e produzir trabalhos cientificamente sustentados em perspectivas teóricas tais como a Semiótica Peirceana e a Análise do Discurso. Participam deste convênio docentes, discentes e egressos das duas Instituições de Ensino Superior. Como produtos, já foi realizada uma jornada e publicado um livro com os resultados das pesquisas.

Convênio entre Univás e LABEURB-UNICAMP

 

O Convênio de Cooperação Científica e Cultural entre o Laboratório de Estudos Urbanos (Labeurb), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), e a Univás tem por objetivo reunir pesquisadores interessados em estudar as relações epistemológicas entre a Análise de Discurso e a Psicanálise. Este é um assunto que vem se apresentando com muita intensidade para os pesquisadores das duas áreas, da psicanálise e da Análise de Discurso. Esse acordo interinstitucional elegeu como questão principal o sintoma na contemporaneidade, processo que tem produzido “restos subjetivos” no mundo. Participam deste convênio docentes, discentes e egressos do PPGCL (UNIVAS), bem como os pesquisadores do Labeurb/Unicamp, docentes e discentes da Unicamp.

Coordenadores do Convênio:

Profa. Dra. Juliana Santana Cavallari (UNIVÁS)

Prof. Dr. Marcos Aurélio Barbai (LABEURB-UNICAMP)

Projeto em desenvolvimento no âmbito do Convênio:

Discurso e Psicanálise: a-versão do sentido

Convênio entre Univás e Universidade do Estado do Mato Grosso

A Univás e a Unemat firmaram convênio de cooperação, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem, com o objetivo de estabelecer e regulamentar um programa de cooperação acadêmica e científica entre as duas IES, abrangendo Ensino, Pesquisa e Extensão. O Programa prevê o intercâmbio entre pesquisadores, professores e estudantes; a realização de estudos e pesquisas, consultorias, conferências, publicações, oferta de cursos e programas de formação, realização de estágios e outras atividades de interesse e conveniência dos participantes. A primeira atividade deste convênio é o desenvolvimento do projeto de pesquisa “Linguagem, cidade e políticas sociais”, envolvendo pesquisadores da UNIVÁS e da UNEMAT, pelo qual já se vem promovendo diversas atividades entre as IES envolvidas. Faz parte dos objetivos do projeto promover a mobilidade entre pesquisadores docentes e discentes e dar visibilidade à produção e circulação do conhecimento científico em livros e periódicos de alto nível. Entre os membros participantes deste convênio estão docentes, discentes e egressos das duas instituições de ensino superior.

Coordenadores do Convênio:

Prof. Dr. Eduardo Alves Rodrigues (UNIVÁS)

Profa. Dra. Ana Luiza Artiaga Rodrigues da Motta (UNEMAT)

Projeto em desenvolvimento no âmbito do Convênio:

Linguagem, cidade e políticas sociais

 

Convênio entre Univás e Universidad de Valparaíso - Chile

 

 

O convênio com a Universidade Valparaíso tem por objetivo aprofundar o conhecimento das relações entrecruzadas de diferentes aspectos das Ciências da Linguagem na América Latina, tomando como ponto de apoio os discursos que produzem sentidos de “brasileiro” e de “chileno” como maneiras distintas de ser e estar no mundo em suas determinações simbólicas e históricas. Por meio da análise de discurso ou da análise textual, cada investigador implicado no projeto elegeu um material de análise que permite abordar os aspectos relacionados a uma tentativa de construção da identidade ou “raça” nacional. Enquanto os investigadores da Universidad de Valparaíso visam investigar e analisar a obra Raza Chilena de Nicolás Palacios, os investigadores da Universidade do Vale do Sapucaí farão análises de obras como Grande Sertão: Veredas, de João Guimarães Rosa, e Raza Chilena; o processo de construção, contemporâneo a movimentos artísticos, da diagramação de um jornal, a coluna O português é uma figura, da revista Língua Portuguesa, dentre outros materiais. Docentes e discentes das duas instituições participam dos trabalhos e das pesquisas realizadas no âmbito deste convênio.

Coordenadores do Convênio:

Profa. Dra. Paula Chiaretti (UNIVÁS)

Prof. Dr. Miguel Alvarado Borgoño (Universidad de Valparaíso)

Projeto em desenvolvimento no âmbito do Convênio:

O projeto de uma identidade nacional: um estudo a partir da literatura e da imprensa

Convênio entre Univás e Universidad Central Marta Abreu de las Villas - Cuba

 

Compreender a relação estabelecida entre linguagem e sua exterioridade face ao processo de significação implica considerar que todo dizer está ligado com o não-dizer, ou seja, que o discurso é atravessado pelo silêncio, pois, de acordo com Orlandi (1992), "quando dizemos que há silêncio nas palavras, estamos dizendo que: elas são atravessadas de silêncio; elas produzem silêncio; o silêncio fala por elas; elas silenciam" (p. 14). Nesta direção, observa-se que há formas de o silêncio funcionar na produção de efeitos de sentidos tendo em vista que ele ao mesmo tempo está nas palavras, está entre as palavras, ou significa por elas. O silêncio, então, movimenta(-se) (n)o discurso. Está nele, o constitui e assim se significa. Faz parte do processo discursivo, porque, para dizer é preciso não-dizer, pois o sentido sempre pode ser outro. Em sua teorização sobre o silêncio, Orlandi (idem) distingue duas formas de silêncio: 1) o silêncio fundador e 2) o silenciamento, que faz parte da política do silêncio. A autora explica que a "diferença entre o silêncio fundador e a política do silêncio é que a política do silêncio produz um recorte entre o que se diz e o que não se diz, enquanto o silêncio fundador não estabelece nenhuma divisão: ele significa em (por) si mesmo" (ORLANDI, 1992: p. 75). Trata-se, portanto, de uma distinção que aponta para o caráter fundador e contínuo do silêncio, e assevera o fato de ele residir na produção de efeitos de sentido, em qualquer prática discursiva, em qualquer objeto simbólico. E, ainda, para o fato de que ao se dizer algo, apagam-se ou silenciam-se outros possíveis sentidos, e esse gesto significa numa determinada conjuntura sócio-histórica seja na constituição do que é dito, seja na interdição de um dizer. É partindo dessa compreensão de silêncio que esse projeto de pesquisa - no âmbito do Convênio de Cooperação Científica e Cultural estabelecido entre a Universidad Central Marta Abreu de las Villas, de Cuba, e o Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem da Universidade do Vale do Sapucaí, do Brasil - almeja investigar como as formas do silêncio funcionam em determinadas produções artístico-literárias de modo a engendrar sentidos sobre o Brasil, por um lado; e, por outro, como uma obra literária cubana, considerada ora como diário de viagem, ora como um romance, é atravessada pelo silêncio e assim constrói em sua narrativa o sujeito Outro. Para tanto, inicialmente, selecionamos três materiais para procedermos à análise em nossa pesquisa: 1) a obra Portinari devora Hans Staden, 2) o romance Os Sertões e 3) e a peça narrativa Un verano en Tenerife.

Coordenadores do Convênio:

Profa. Dra. Paula Chiaretti (UNIVÁS)

Profa. Dra. Ana Íris Martinez Diaz (Universidad Central Marta Abreu de las Villas)

Projeto em desenvolvimento no âmbito do Convênio:

Discurso e silêncio: política, ciência e arte

MESTRADO E DOUTORADO

Programa de Pós-Graduação

em Ciências da Linguagem