ENELIN 2017 - Linguagem, Instituições e

Práticas Sociais

PROGRAMAÇÃO GERAL

PROGRAMAÇÃO COMPLETA

QUARTA-FEIRA - 04/10/2017

Recepção e credenciamento
 

Local: Salão de Eventos da Univás

 

8h00-18h30

Abertura – Presidente de honra do ENELIN e autoridades da Univás


Local: Salão do Hotel Marques Plaza

 

10h00-12h00

Conferência de Abertura

Profa. Dra. Alma Bolón (UDeLaR - Uruguai)


Negação e desconhecimento da ficção como forma própria da linguagem  Resumo     Resumen     Abstract


Local: Salão do Hotel Marques Plaza 

 

09h00-10h00

Intervalo para Almoço

12h00-13h30

 

13h30-15h30

Sessões Coordenadas e Sessões de Comunicação Individual

Detalhadas no Caderno de Programação e Resumos

Local: Bloco (Marrom) das Administrações

Coffee break – Café com Ciência

Sessão de Pôsteres
Local: Corredor Térreo do Bloco das Administrações (Bloco Marrom)

 

15h30-16h45

 

16h45-19h00

Local: Salão do Hotel Marques Plaza

 

19h00-20h00

Apresentação musical. Grupo Ponteio - Orquestra de Violas

 

Local: Salão do Hotel Marques Plaza

Mesa-redonda 1: Linguagem, Escola e Estado

 

16h45-17h15​
Prof. Dr. Taisir Mahmudo Karim (UNEMAT)        
Vândalos: nome que designa os “outros” brasileiros

Resumo     Abstract

 

17h15-17h45​
Profa. Dra. Mariza Vieira da Silva (UCB)          
Estado, Escola, Língua: unidades divididas

Resumo     Abstract
 

17h45-18h15​

Profa. Simone Merlo de Souza (SRE/Pouso Alegre)          
O domínio da linguagem nas escolas estaduais e o exercício da cidadania: reflexões sobre uma realidade

Resumo     Abstract

18h15-19h00 - Debate​

Coordenadora: Profa. Dra. Greciely Cristina da Costa (UNIVÁS)

QUARTA-FEIRA - 04/10/2017

QUINTA-FEIRA - 05/10/2017

 

09h00-11h15

Local: Salão do Hotel Marques Plaza

Mesa-redonda 2: Sujeitos invisíveis e Memória

 

09h00-09h30
Profa. Dra. Eni P. Orlandi (UNIVÁS)          
Sujeitos à Narratividade

Resumo     Abstract

 

09h30-10h00
Prof. Dr. William Augusto Menezes (UFOP)        
“Guardiães da memória na Região dos Inconfidentes”

Resumo     Abstract
 

10h00-10h30

Roberta Carvalho (Artista Visual - Prêmio CCSP de Residência Artística 2016 e Prêmio FUNARTE Mulheres nas Artes Visuais - 2014)          
“Luzes sobre a cidade: revelando (in)visibilidades através da arte”

10h30-11h15 - Debate
Coordenadora: Profa. Dra. Débora Massmann (UNIVÁS)    

 

8h00-18h30

Recepção e credenciamento
 

Local: Salão de Eventos da Univás

12h00-13h30

11h30-13h30

Intervalo para Almoço

Conferência 2

Profa. Dra. Rachele Raus (Universidade de Turim – Itália)     


Efeitos das práticas colíngues e codiscursivas sobre a instituição do
sentido e dos sujeitos políticos no Parlamento Europeu

Resumo     Résumé     Abstract


Local: Salão do Hotel Marques Plaza 

 

13h30-15h30

Coffee break

Local: Salão de Eventos da Univás

 

15h30-15h45

 

17h45-19h00

Sessão de Pôsteres
Local: Corredor Térreo do Bloco das Administrações (Bloco Marrom)

 

13h30-15h30

 

15h45-17h45

Sessões Coordenadas e Sessões de Comunicação Individual

Detalhadas no Caderno de Programação e Resumos

Local: Bloco (Marrom) das Administrações

 

19h00-21h00

Coquetel e Lançamento de Livros

 

Local: Salão de Eventos da Univás

SEXTA-FEIRA - 06/10/2017

 

8h00-11h00

Recepção e credenciamento
 

Local: Salão de Eventos da Univás

 

8h15-10h15

Sessões Coordenadas e Sessões de Comunicação Individual

Detalhadas no Caderno de Programação e Resumos

Local: Bloco (Marrom) das Administrações

Coffee break

Local: Salão de Eventos da Univás

Coffee break

Local: Salão de Eventos da Univás

 

15h30-15h45

 

10h15-10h45

Mesa-redonda 3: Linguagem, Estado e Fronteiras

 

10h45-11h15
Profa. Dra. Bethania Mariani (UFF)          
‘Fora de Lugar.’ Sujeito, línguas, cidades

Resumo     Abstract

 

11h15-11h45
Profa. Dra. Maria Onice Payer (UNIVÁS)        
Linguagem, Instituições e Práticas Sociais. Condições de Produção e Processos de Subjetivação de Imigrantes/Refugiados

Resumo     Abstract
 

11h45-12h15

Profa. Dra. Verli Petri (UFSM)          
“Fronteiras moventes, sentidos deslizantes”

Resumo     Abstract

 

12h15-13h00 - Debate
Coordenadora: Profa. Dra. Luciana Nogueira (UNIVÁS)    

 

10h45-13h00

Local: Salão do Hotel Marques Plaza

13h00-14h30

Intervalo para Almoço

Sessões Coordenadas e Sessões de Comunicação Individual

Detalhadas no Caderno de Programação e Resumos

Local: Bloco (Marrom) das Administrações

 

14h30-16h30

 

16h40-17h15

Encerramento 

 

Local: Salão do Hotel Marques Plaza

Resumos das Conferências e Palestras

 

NEGAÇÃO E DESCONHECIMENTO DA FICÇÃO COMO A PRÓPRIA FORMA DA LINGUAGEM

Dra. Alma Bolón Pedretti (Universidad de la República – Uruguay)

 

Resumo. A incorporação de todo tipo de pensamento à lógica instrumental não evitou a linguagem, mas fez dela um meio, um veículo, uma ferramenta de comunicação, confinando-a, ao mesmo tempo, ao esquecimento. Contra esse esquecimento, é possível sustentar que a Literatura – prática do equívoco: intimação que não cessa na interpretação – poderia ser não somente a forma geral da escritura, mas o exercício mais autêntico da linguagem, a matriz menos instrumentalizável do pensar. Contra um mundo que depositou sua fé na univocidade tecnológica e na produtividade do instrumento, é necessário interrogar uma série de oposições que ordenam o pensável: palavras/coisas, ficção/não-ficção, poético/referencial, figurado/literal, entre aspas/sem aspas, metafórico/não-metafórico, mito/história, língua/sociedade, etc.

NEGACIΌN Y DESCONOCIMIETO DE LA FICCIΌN COMO FORMA MISMA DEL LENGUAJE
 

Dra. Alma Bolón Pedretti (Universidad de la República – Uruguay)

 

Resumen. La incorporaciόn de cada porciόn de pensamiento a la lόgica instrumental no evitό el lenguaje sino que lo ungiό medio, vehículo, herramienta de comunicaciόn, confinándolo, simultáneamente, al olvido. Contra ese olvido, es posible sostener que la literatura -práctica del equívoco: intimación a no cejar en la interpretación- bien podría ser no solo la forma general de la escritura, sino el ejercicio más insobornable del lenguaje, la matriz menos instrumentalizable del pensar. Contra un mundo que depositó su fe en la univocidad tecnológica y en la productividad del instrumento, es necesario interrogar una serie de oposiciones que ordenan lo pensable: palabras/cosas, ficción/no ficción, poético/referencial, figurado/recto, entrecomillado/no entrecomillado, metafórico/ no metafórico, mito/historia, lengua/sociedad, etc.

THE DENIAL AND IGNORANCE OF FICTION AS A FORM OF LANGUAGE ITSELF
 

Dra. Alma Bolón Pedretti (Universidad de la República – Uruguay)

 

Abstract. The addition of each portion of thinking to instrumental logic did not avoid language; rather, it made it a means, a vehicle, a communication tool, consigning it, at the same time, to oblivion. Against that oblivion, it is possible to argue that literature –the practice of the ambiguous: an exhortation not to cease interpreting– may well be not only the general form of writing, but the most incorruptible exercise of language, the least instrumentalizable matrix of thinking. Against a world which placed its faith in technological univocity and instrument productivity, it is necessary to question a series of oppositions that order the thinkable: words/things, fiction/non-fiction, poetic/referential, figurative/literal, metaphorical/non-metaphorical, myth/history, language/society, etc.

 

VÂNDALOS: NOME QUE DESIGNA OS “OUTROS” BRASILEIROS


Dr. Taisir Mahmudo Karim (UNEMAT)

 

Resumo. A história se apresenta, para nós, pela transversalidade dos acontecimentos constitutivos do dizer, funcionamento que produz o efeito ilusório que estabiliza sentidos sobre aquilo que os nomes passam a significar. Mas, como se sabe, a história enunciativa dos nomes nos revela sentidos que desestabilizam os já institucionalizados. São deslocamentos próprios do funcionamento da língua nos espaços de enunciação em que eles são enunciados. Se, no passado, o funcionamento do nome vândalos designava “os outros” (os estrangeiros), aqueles que não faziam parte do “nós” (os civilizados), hoje, o nome, no seu funcionamento designativo, pode significar esses “nós” (os civilizados) como os “outros” (os descivilizados). Neste estudo, fundamentado pelo viés teórico semântico-enunciativo, vamos observar o funcionamento desse deslocamento semântico. Para tanto, tomamos como material para as análises, fragmentos retirados de um texto jornalístico - Folha de São Paulo – que trata das recentes manifestações políticas no Brasil.

VANDALS: NAME THAT DESIGNATES “OTHER" BRAZILIANS
 

Dr. Taisir Mahmudo Karim (UNEMAT)

 

Abstract. History is presented for us by the transversality of the constitutive events of saying, functioning that produces the illusory effect that stabilizes senses on what the names come to mean. But, as we know, the enunciative history of names reveals senses that destabilize those already institutionalized. They are proper dislocations of the functioning of language in the spaces of enunciation in which they are uttered. If, in the past, the functioning of the name "vandals" designated "the others" (foreigners), those who were not part of the "us" (the civilized), today, the name, in its designative functioning, can mean these "we" (the civilized) as the "others" (the uncivilized). In this study, based on the semantic-enunciative theoretical basis, we will observe the functioning of this semantic shift. For that, we take for the analysis, fragments taken from a journalistic text - Folha de São Paulo – that treat the recent political manifestations in Brazil.

ESTADO, ESCOLA, LÍNGUA: UNIDADES DIVIDIDAS
 

Dra. Mariza Vieira da Silva (UCB)

 

Resumo. Visamos, nesta mesa, discutir o processo de disciplinarização do português, a partir da segunda metade do século XX, retomando analiticamente, da perspectiva da História das Ideias Linguísticas e da Análise de Discurso, problemas, diagnósticos e propostas de solução teóricas e políticas, para compreender as relações de força e as de sentidos, sempre heterogêneas, que movimentaram e movimentam as contradições, no que diz respeito às representações de língua e de seu ensino, de escola e de Estado como objetos históricos e ideológicos - unidades divididas em relação a uma unidade imaginária -, considerando a conjuntura mais ampla da globalização da economia e da revolução tecnológica, que trouxeram uma reestruturação produtiva e mutações do/no mercado de trabalho e, consequentemente, na formação do trabalhador – um sujeito urbano - de uma sociedade letrada como a brasileira.

STATE, SCHOOL, LANGUAGE: DIVIDED UNITIES
 

Dra. Mariza Vieira da Silva (UCB)

 

Abstract. The aim of this debate is to discuss the process of disciplinarizing Portuguese language from the second half of the 20th century, analytically recollecting, from the point of view of the History of Linguistic Ideas and the Discourse Analysis, problems, diagnostics, and proposals for theoretical and political solutions, to interpret the relations of power and meanings, perpetually heterogeneous, which have stirred the contradictions, related to the representation of language and its instruction, of the school and the State as historical and ideological objects – unities divided in relation to an imaginary unity –, considering the ampler aspects of economic globalization and of the technological revolution, which have fostered a production restructuring and mutations from/in the labor market and, consequently, in training of the employee – an urban subject – from a literate society as the Brazilian.

 
 

O DOMÍNIO DA LINGUAGEM NAS ESCOLAS ESTADUAIS E O EXERCÍCIO DA CIDADANIA: REFLEXÕES SOBRE UMA REALIDADE

Esp. Simone Merlo de Souza (Assessora Pedagógica da Superintendência Regional de Ensino de Pouso Alegre)

 

Resumo. Neste trabalho, busca-se refletir sobre o ensino da Língua Portuguesa nas escolas públicas estaduais, buscando soluções para a prática das salas de aula que realmente desenvolvam habilidades para o exercício da cidadania através da formação de estudantes leitores proficientes e produtores dos gêneros que circulam na sociedade.

THE DOMAIN OF LANGUAGE IN THE STATE SCHOOLS AND THE EXERCISE OF CITIZENSHIP: REFLECTIONS ON A REALITY

Esp. Simone Merlo de Souza (Assessora Pedagógica da Superintendência Regional de Ensino de Pouso Alegre)

Abstract. Through this work, we seeks to reflect on the teaching of the Portuguese language in state public schools, trying to find solutions for the practice of classroom that effectively develops skills for the exercise of citizenship through the training process that leads students to become proficient readers and producers of genres that circulate in society.

 

SUJEITOS À NARRATIVIDADE
 

Dra. Eni Orlandi (UNIVÁS/CNPq)

 

Resumo. Interrogando como se constituem sujeitos e sentidos na relação com as discursividades, tomamos a ideia de que discursos marginais constituem sujeitos marginais, como restos da história. Invisíveis, mas com presença forte no imaginário social, em múltiplas versões. Para tratar desta questão, trabalhamos a noção de discurso social, enquanto “o conjunto do que se diz e se escreve em um estado de sociedade; tudo o que se imprime, tudo o que se fala publicamente ou se representa hoje na mídia eletrônica” (M. Angenot, 1992), explorando a distinção do que se elege como história, ou literatura, contada e legítima, e as produções que fluem à margem. Tomaremos como materiais de análise o que, em geral, fica como curiosidade ou faz parte do chamado “Museu da Pessoa”. E procuraremos explicitar o processo de significação que aí se dá, através da noção de narratividade, tal como a defino.

SUBJECTED TO NARRATIVITY
 

Dra. Eni Orlandi (UNIVÁS/CNPq)

Abstract. By questioning how subjects and senses are constituted in relation to discourses, we conceive the idea that marginal discourses constitute marginal subjects as remains of history. Invisible, but with a strong presence in the social imaginary, in multiple versions. To deal with this question, we work on the notion of social discourse, as "the set of what is said and written in a state of society; everything that is printed, everything that is spoken publicly or that is represented today in the electronic media" (M. Angenot, 1992), exploring the distinction between what is elected as history, or literature, told and legitimate, as well as the productions that flow on the margin. We take as analytical materials what, in general, remains like curiosity or part of the so-called "Museum of the Person". And we will try to make explicit the process of signification that occurs there, through the notion of narrativity, as I define it.

GUARDIÃES DA MEMÓRIA NA REGIÃO DOS INCONFIDENTES
 

Dr. William Augusto Menezes (UFOP)

 

Resumo. Guardiães da Memória na Região dos Inconfidentes é parte de um amplo projeto sobre discursos sociais, estratégias identitárias e representações da memória, do qual participam pesquisadores vinculados ao Grupo de Pesquisa em Discurso e Memória (GEDEM-UFOP). Trata-se de uma pesquisa que contém dupla orientação: a constituição de acervos orais e a análise discursiva de elementos desse acervo. A constituição dos acervos orais é realizada a partir da gravação, em áudio e vídeo, de entrevistas narrativas com indivíduos que qualificamos como guardiães da memória. Os critérios para a qualificação dos guardiães incorporam, via de regra, a idade, o pertencimento à comunidade (habitante nativo, com idade superior a 60 anos e/ou residente na região há pelo menos 40 anos) e o reconhecimento como portador ou contador de histórias relevantes para a comunidade. A análise tem sido desenvolvida em projetos e reuniões de pesquisa, tendo como aporte contribuições diversas em Análise do Discurso, como em Courtine, Pêcheux, Orlandi, Paveau, Amossy e Charaudeau. Para a exposição em mesa-redonda, trabalharemos com fragmentos ilustrativos de três situações ou recortes discursivos em entrevistas narrativas orais: a) a narrativa oral temática; b) a narrativa de tradição oral; c) a narrativa oral de atingidos pelo rompimento da Barragem de Fundão – Mariana (MG). As questões básicas que se colocam no exame de tais narrativas dizem respeito ao imaginário de si reportado pelo narrador e ao projeto de influência desse como sujeito de experiência, ou seja: o que motiva o narrador, como esse articula o enredo da sua narrativa e como se dá a orientação persuasiva no seu relato? Responder a essas questões parece-nos importante para uma percepção sobre narrativas orais enquanto atividades orientadas para a constituição de laços identitários e para representações da memória como perspectivas para a atuação comum, enquanto estratégias de manutenção de laços comunitários e ferramenta de empoderamento e mudança social.

GUARDIANS OF THE MEMORY OF INCONFIDENTES’ REGION


Dr. William Augusto Menezes (UFOP)

Abstract. “Guardians of the Memory of Inconfidentes’ Region” is a part of a larger project created by researchers from the Discourse and Memory Research Group (GEDEM-UFOP) that intends to investigate social discourses, identities' strategies and memory representations. This research has two orientations: the constitution of oral collection and the discursive analysis of its elements. The constitution of the oral collection is a result of recordings – in audio and video format – of narrative interviews with people that we qualify as guardians of the memories. The criteria of qualification of a guardian are: age, their belonging to the community (native population with above 60 years old or residents with, at least, 40 years of living in the region) and the reconnaissance of them as porter or storyteller with a communal relevance. The analysis is being developed in projects and research meetings, with the theoretical contribution from Discourse Analysis scholars, such as Courtine, Pêcheux, Orlandi, Paveau, Amossy and Charaudeau. For this roundtable, we propose to present three illustrative fragments of situations – or discursive clipping – in interviews realized from oral narrative methodology: a) the oral thematic narrative; b) the narrative of oral tradition; c) the oral narrative of those who are affected by the rupture of Samarco dam in Mariana (MG). The main question to be answered is about the imaginary of itself reported by the narrator and the project of influence of itself as a subject of experience, that means: what motivates the narrator, how he/she articulates the plot of the narrative and how the persuasive orientation of the narrative is made. The answer to these questions seems important to a higher comprehension about oral narrative as activities oriented to the formation of identity' links and for the representations of memory as a perspective for a joint performance, as strategies of maintenance of community linkages and as a tool for empowerment and for social change.

 
 

EFEITOS DAS PRÁTICAS COLÍNGUES E CODISCURSIVAS SOBRE A INSTITUIÇÃO DO SENTIDO E DOS SUJEITOS POLÍTICOS NO PARLAMENTO EUROPEU
 

Dra. Rachele Raus (Universidade de Turim – Itália)

 

Resumo. A hiperlíngua (Auroux, 1997) da União Europeia é um espaço-tempo “artificialmente supra-cultural” (Scarpa, 2008, p. 102) que se caracteriza pela utilização do “eurojargão” (Goffin, 2005). Nesse contexto, a dimensão multilíngue do Parlamento europeu permite a presença de práticas colíngues (Balibar, 1993) e codiscursivas (Raus, 2015) que instituem sentidos plurais e relativos às posições dos sujeitos – seus “posicionamentos” (Charaudeau, Maingueneau, 2002) – dentro do interdiscurso europeu. Exemplos retirados das versões francesa, inglesa e italiana de relatórios de iniciativas dessa instituição mostrarão que essas práticas revelam a presença de “línguas semi-fluidas” (para a noção de “língua fluida”, ver Orlandi (1996)).

EFFETS DES PRATIQUES COLINGUES ET CODISCURSIVES SUR L’INSTITUTION DU SENS ET DES SUJETS POLITIQUES AU PARLEMENT EUROPÉEN


Dra. Rachele Raus (Universidade de Turim – Itália)

 

Résumé. L’hyperlangue (Auroux 1997) de l’Union européenne est un espace-temps « artificiellement supra-culturel » (Scarpa 2008 : 102) qui se caractérise par l’utilisation de l’« eurojargon » (Goffin 2005).  Dans ce contexte, la dimension multilingue du Parlement européen permet de mettre en place des pratiques colingues (Balibar 1993) et codiscursives (Raus 2015) qui instituent des sens pluriels et cernent la place des sujets –  leur « positionnement » (Charaudeau, Maingueneau 2002) –  au sein de l’interdiscours européen. Des exemples tirés des versions françaises, anglaises et italiennes des rapports d’initiative de cette institution montreront que ces pratiques révèlent la présence de « langues semi-fluides » (pour la notion de « langue fluide » voir Orlandi (1996)).

EFFECTS OF COLINGUAL AND CODISCURSIVE PRACTICES ON THE INSTITUTION OF SENSE AND POLITICAL SUBJECTS IN THE EUROPEAN PARLIAMENT
 

Dra. Rachele Raus (Universidade de Turim – Itália)

 

Abstract. The hyperlanguage (Auroux 1997) of the European Union can be described as an “artificial super-cultural” space-time area (Scarpa 2008: 102) where people use “eurospeak” (Goffin 1994). In this environment, the multilingual dimension of the European Parliament allows the use of colingual (Balibar 1993) and co-discursive (Raus 2015) practices that produce plural meanings and help to define the positioning (Charaudeau, Maingueneau 2002) of subjects within the European interdiscourse. Some examples taken from French, English, Italian versions of EP own-initiative reports show that these practices reveal the presence of “semi-fluid languages” (for the concept of “fluidal language”, see Orlandi (1996)).

 

“FORA DE LUGAR”: SUJEITO, LÍNGUAS, CIDADES
 

Dra. Bethania Mariani (UFF/LAS/CNPq)

Resumo. Este trabalho objetiva discutir a questão do testemunho tendo em vista a escrita de si que o testemunho de Edward Said mobiliza.  Partimos do ponto de vista teórico da Análise do Discurso e da Psicanálise para analisar "Fora do Lugar", de Edward Said: uma narrativa autobiográfica em que se entrelaçam memória, história e constituição subjetiva, sempre se produzindo entre-línguas, entre-cidades e entre-países.  A noção de real é mobilizada, circunscrevendo um impossível de ser simbolizado tanto na linguagem como na história, ou seja, na discursividade em tela o testemunho mobiliza um tipo de saber não redutível e que ultrapassa o sujeito. Discute-se, no trabalho a ser apresentado, o aspecto memoriável da escrita de si tendo em vista a dimensão de um indizível, de um furo presente na linguagem que todo testemunho porta.

“OUT OF PLACE”: SUBJECT, LANGUAGES, CITIES
 

Dra. Bethania Mariani (UFF/LAS/CNPq)

Abstract. The goal of this work is to discuss the theme of testimony bearing in mind the writing of the self that Edward Said’s testimony mobilizes. Discourse Analysis and psychoanalysis are the touchstones of this text, analysing Edward Said’s Out of Place, an autobiographical narrative in which memory, history and the constitution of the subject interweave, always bringing inter-languages, inter-cities and inter-countries on. The notion of real is mobilized, restraining an impossibility of being symbolized both in language and in history; in other words, in the discursivity in question, testimony mobilizes an irreducible form of knowing that overcomes the subject. In this work that shall be presented, the memoriable aspect of the writing of the self is discussed considering the dimension of an unspeakability, of a hole present un the language that every testimony bears.

 

Linguagem, Instituições e Práticas Sociais. Condições de Produção e Processos de Subjetivação de Imigrantes/Refugiados
 

Dra. Maria Onice Payer (UNIVAS/CNPq)

Resumo. Em que condições se formam grandes movimentos imigratórios? Como contrastam os do Século XIX e XXI? O que seu contraste permite compreender sobre deslocamento de população e crise humanitária? A pesquisa focaliza as condições de produção da imigração/refúgio e a relação com o processo de subjetivação. Na política de imigração sujeitos são gerenciados e sentidos (re)produzidos. Interpretações em vigor na economia industrial do Estado Moderno configuram ainda hoje discursos em que o sujeito da imigração é posto como objeto do discurso a partir de perspectivas diversas, nas práticas em que as instituições enunciam sobre o tema (em cartazes, TVs, jornais, discurso político – como na Itália, 2016). Configura-se uma retórica da imigração na qual a geopolítica do mercado globalizado e supranacional resulta opacificada. Nas condições socioeconômicas atuais corpos “mudos” atravessam (ou não) as fronteiras e confrontam evidências já constituídas – os Estados, com seus territórios, povos, sistemas jurídicos e línguas – barreira fundamental. O processo supõe distintas etapas e requer uma compreensão ampla, enquanto teoria da imigração (Sayad). Em que, na perspectiva da linguagem, importa considerar o poder (ou não) dizer (-se) e simbolizar a/na extensa experiência desses sujeitos.

Language, Institutions and Social Practices. Production Conditions and the Subjectification Process of Immigrants/Refugees


Dra. Maria Onice Payer (UNIVAS/CNPq)

Abstract. On what conditions do large migratory flows form? How do the nineteenth and twenty first century movements contrast? What do this contrast allows us to comprehend about population displacement and humanitarian crisis? The research focuses on the production conditions of immigration/refugees and the relation with process of subjectivities. In immigration politics subjects are managed and the senses are (re)produced. Interpretations in force in the industrial economy of Modern Statehood up to now configures discourses centering the immigration subject as an object of discourse from several perspectives in practices in which institutions enunciate on the theme (in posters, TV, newspapers, political discourse – as in Italy, 2016). They configure themselves as an immigration rhetoric on which the geopolitical of global and supranational market is opacified.  On present socioeconomic conditions, “dumb” bodies cross (or not) the frontiers and evidences yet constituted get into confront – the States with their territories, population, law system and language – main barrier. The process supposes distinct phases and requires a broad comprehension, as an immigration theory (Sayad). That, on language perspective, demands considering the can (or can’t) saying (saying themselves) and to cause to symbolize the/in the extent experience of these subjects.

FRONTEIRAS MOVENTES, SENTIDOS DESLIZANTES
 

Dra. Verli Petri (DLV/Laboratório Corpus/PPGL-UFSM)

Resumo. As fronteiras moventes tratadas nessa reflexão fazem referência a uma região da fronteira geográfica do sul do Brasil com a Argentina. Trata-se de uma região banhada pelo Rio Uruguai que em períodos de enchentes avança cidade adentro (do lado brasileiro), movendo a fronteira e agitando os sentidos sobre a própria noção de fronteira. Lá não há uma ponte física construída; lá não há limites para a língua brasileira e para a língua argentina; lá também não funciona “o Portunhol”, pelo menos não aquele que conhecemos nas regiões fronteiriças do Brasil com o Uruguai (o que pode ser conferido nas obras de Fabián Severo); lá, a diversidade é constitutiva dos sujeitos com suas línguas vivas e em pleno funcionamento. Analisaremos o funcionamento de algumas palavras nessa região de fronteira que é política, linguística e simbólica, tão rica na produção de sentidos que se estabilizam, se movem, deslizam.

MOVING BORDERS, SLIDING DIRECTIONS
 

Dra. Verli Petri (DLV/Laboratório Corpus/PPGL-UFSM)

Abstract. The moving borders treated in this reflection make reference to a region of the geographical border of the south of Brazil with Argentina. It is a region bathed by the Uruguay River that in periods of floods advances inland (in the Brazilian side), moving the border and agitating the senses about the very notion of frontier. There is no built physical bridge there; There are no limits to the Brazilian language and to the Argentinean language; There, "the Portunhol" does not work either, at least not the one we know in the border regions of Brazil with Uruguay (which can be checked in the works of Fabián Severo); There, diversity is constitutive of subjects with their living languages and in full functioning. We focus on the use of some words in this border region that is political, linguistic and symbolic, so rich in the production of senses that stabilize, move, slide.

 

MESTRADO E DOUTORADO

Programa de Pós-Graduação

em Ciências da Linguagem