"...procuramos colocar às claras o modo como linguagem e sociedade se articulam na constituição de nossas vidas e do conhecimento. Neste caso, o resultado é termos um profissional mais independente e capaz de elaborar seus saberes em função de seus objetivos de trabalho e de ensino. Um sujeito capaz de melhor se situar na sociedade e na história, elaborando sua capacidade de ler e de produzir ciência."

Eni P. Orlandi, coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem, fala sobre o curso e as possibilidades de formação pessoal e profissional que ele propicia. O Programa é credenciado pela Capes e obteve nota 4 em avaliação trienal do Mestrado e aprovação com nota 4 do Doutorado.

 

Jornalista: No que consiste uma pós-graduação em Ciências da Linguagem?

 

Eni P. Orlandi: Consiste em um conjunto de conhecimentos sobre a linguagem , sustentado em uma área de concentração (Linguagem e Sociedade) e tendo 3 linhas de pesquisa (Língua e Ensino; Análise de Discurso; e Linguagem, Conhecimento e suas tecnologias). Junto a estas linhas, desenvolvemos as aulas e pesquisas individuais ou coletivas , em que cada pós-graduando trabalha sua área de conhecimento ou de interesse, buscando saberes que auxiliem a melhor compreender como a linguagem, ou as linguagens (pensando uma sociedade globalizada marcada pelas tecnologias e pelas imagens), funcionam em relação a sua área e a seus objetos de conhecimento. Porque, mesmo que muitos não tenham ainda prestado atenção a isto, vivemos em um mundo em que a linguagem está presente em tudo. E, embora pareça transparente, não é. É ela que produz os sentidos e até mesmo nossas identidades, nossas imagens sociais etc. É ela que faz a mediação entre nós e nossa realidade natural e social, assim como em relação aos nossos projetos de conhecimento e de profissionalização. Mostramos no curso como a linguagem funciona, como ela estabelece nossos vínculos entre nós mesmos e com o mundo em que vivemos. Trabalhamos o modo como as palavras podem ter muitos sentidos, a partir das condições em que são produzidas, de quem fala, para quem fala, etc. Enfim, procuramos colocar às claras o modo como linguagem e sociedade se articulam na constituição de nossas vidas e do conhecimento. Neste caso, o resultado é termos um profissional mais independente e capaz de elaborar seus saberes em função de seus objetivos de trabalho e de ensino. Um sujeito capaz de melhor se situar na sociedade e na história, elaborando sua capacidade de ler e de produzir ciência. O conhecimento, pela compreensão de como a linguagem funciona, torna-se mais acessível e próprio a elaborações.

Jornalista: Qual é a importância de uma pós-graduação para a Univás, Pouso Alegre e região?

 

Eni P. Orlandi: Primeiro implantamos um mestrado que foi o primeiro da Univás, credenciado pela Capes, o que significa o reconhecimento do mesmo em todo o território nacional. Depois implantamos o nosso doutorado. Este doutorado é o primeiro doutorado da região. E fizemos um programa de tal modo que possa receber um público o mais amplo possível, visando assim uma demanda que podemos chamar de aberta: desde o profissional de ensino de língua(s), de literatura, até o historiador, o psicólogo, o enfermeiro, o profissional de direito, de ciências contábeis, de agronomia, de artes, de fonoaudiologia, de música, etc. Para Pouso Alegre, especificamente, trata-se de ter uma Universidade que se qualifica cada vez mais para cumprir sua função nucleadora de produção de conhecimento e de formação de profissionais qualificados de diferentes áreas no sul de Minas. E, pela nossa experiência, temos observado que não só conseguimos formar um corpo docente que tem uma formação diferenciada e pode atender um público diferenciado, como a demanda é cada vez mais interessante e tem nos permitido e aos que nos procuram chegar a resultados excelentes tanto no sentido da formação do cientista como no desenvolvimento de novas perspectivas em sua profissionalização. Ele se torna um profissional que não só se adapta, mas também cria novas condições para suas práticas de conhecimento. Ele inova profissionalmente, e inova no ensino.

 

Jornalista: Quem pode se inscrever na pós-graduação?

 

Eni P. Orlandi: No mestrado, todos que já tenham graduação nas áreas de Ciências Humanas e Sociais, de Letras e Linguística, Pedagogia, Antropólogos, Historiadores, profissionais de Ciências Contábeis, de Direito, de Comunicações, de Artes,  de Fonoaudiologia, Administração, Propaganda, Medicina, Publicidade, Jornalismo, Música, Engenharia, e de qualquer outra área e que tenham interesse em trabalhar com linguagem; no doutorado, pessoas que já tenham o Mestrado e também Graduados nas áreas de Ciências Humanas e Sociais, de Letras e Linguística, Antropólogos, Pedagogia, Historiadores, profissionais de Ciências Contábeis, de Direito, de Comunicações, de Artes,  de Fonoaudiologia, Administração, Propaganda, Publicidade, Jornalismo, Música, Engenharia e os que já tenham mestrado ou graduação em qualquer área, e reconhecem a importância da linguagem funcionando na sociedade e na própria produção de conhecimento e constituição do cientista, do pesquisador, do professor, do profissional contemporâneo, em geral.  

 

Jornalista: Qual é o público alvo?

 

Eni P. Orlandi: Profissionais de diferentes áreas, interessados em linguagem, formando-o para que ele possa, por sua vez, formar quadros em diferentes níveis - superior, médio e fundamental - em diversos domínios das ciências, preparados para atuar de modo a não só refletir mas a atravessar as expectativas imediatas, constituindo novas maneiras de compreender, de interpretar, no ensino e na produção de conhecimento. Que ele se torne, em si, um cientista e um pesquisador independente e possa desenvolver seu valor em sua área de interesse, constituindo-se em um sujeito não só mais capaz, mas inovador. Torna-se um melhor leitor e um profissional com maior capacidade de escrita Isto porque a ciência requer um conhecimento de linguagem, bem como das condições sociais contemporâneas (com suas tecnologias) que permita a este sujeito melhor compreender seu objeto e  melhor dizê-lo.

 

Jornalista: Quando iniciam as inscrições?

 

Eni P. Orlandi: Iniciaram-se no dia 01 de outubro e vão até 06 de novembro, para o Curso de Doutorado, e até 13 de novembro, para o Curso de Mestrado. O acesso aos Editais e ao Sistema de Inscrições se dá pela Home Page do PPGCL.

 

Jornalista: Qual é o tempo de duração do mestrado? E do doutorado?

 

Eni P. Orlandi: Do mestrado, no máximo 2 anos, e do doutorado, no máximo 4 anos.

 

Jornalista: O que acarretará uma pós-graduação em minha vida profissional e intelectual?

 

Eni P. Orlandi: De imediato lhe dá um diploma de nível superior que abre portas para profissões que exigem qualificação maior. E, sobretudo, produz, por colocá-lo na posição de professor pesquisador, uma transformação substancial no seu modo de compreender e de produzir conhecimento, na compreensão de como você mesmo funciona como cientista, como se significa como tal e como se significa na sociedade da qual faz parte com seu conhecimento. Desse modo, abre perspectivas ainda não exploradas tanto para quem faz o curso como na sociedade em que ele vai atuar.

 

Jornalista: O que mais gostaria de dizer aos nossos leitores?

 

Eni P. Orlandi: Venha fazer a pós-graduação em Ciências da Linguagem. Você vai descobrir que a linguagem não é transparente e que ao conhecê-la no modo como ela funciona em nossa vida, na forma como ela significa em geral e constitui mesmo os sujeitos,  a sociedade, a história, o conhecimento, ela pode lhe abrir portas de descoberta que tornam a vida de quem busca o conhecimento/ a sua vida muito mais dinâmica, produtiva e prazerosa.

MESTRADO E DOUTORADO

Programa de Pós-Graduação

em Ciências da Linguagem